Mostrando postagens com marcador distribuições. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador distribuições. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

O ego, a incompetência e algumas distribuições Linux nacionais

Acredito que todo mundo já tenha visto aquelas distribuições Linux nacionais, fornecidas com os computadores populares. Quase sempre "quebradas", com pacotes obsoletos (como eu vi em uma delas: VirtualBox 1.5.0, sendo que já estamos na versão 3.0.4), e grande dificuldade na hora de instalar programas. Isso quando não cometem atrocidades maiores, como gambiarras diversas em arquivos de configuração mal-escritos e não-documentados. Coisas que o usuário final não nota, mas que para alguém que necessite configurar tais sistemas, traz muitos problemas.

Isso revela dois problemas de tais distros. O primeiro deles: a síndrome do precisamos fazer nossa própria distro, também conhecida como Not Invented Here (NIH). Uma reinvenção da roda desnecessária, que na minha opinião vai exatamente de encontro à própria ideia do software livre. Mas tudo bem, dizer que criou uma distro é engrandecedor, serve direitinho para que algumas pessoas possam se rotular de "desenvolvedoras".

Uma solução muito mais fácil e óbvia seria criar pacotes com as modificações, colocá-los em um repositório e aplicá-los em uma das várias distros end-user já disponíveis, assim garantindo a continuidade das atualizações - ao contrário de humilhar os usuários com versões antigas. E, também, se o usuário quisesse voltar à distro original, isso seria possível, assim como um usuário de Ubuntu pode "migrar" para o Kubuntu instalando um meta-pacote que nada mais faz do que depender dos pacotes relativos à distro desejada.

Poder-se-ia, por exemplo, pegar um Ubuntu ou openSUSE, acrescentar pacotes que reflitam as modificações desejadas, e aproveitar todos os repositórios, documentação e tutoriais, assim garantindo uma experiência mais agradável para os usuários iniciantes e acabando com a reinvenção da roda praticada em nome da satisfação pessoal.

Outro problema clássico é a síndrome de imitação do Windows. A intenção é boa, facilitar a migração, e talvez até funcione em ambientes corporativos, nos quais os usuários tem acesso restrito e pouco ou nenhum direito de instalação de programas e configuração. Exceto que... isso dificulta as coisas para um usuário doméstico, além de colaborar na criação da imagem de Windows de pobre, de cópia mal-feita.

Aparentemente, há uma falta de sinceridade e de capacidade em não tratar o usuário como um idiota. É possível, sim, criar desktops fáceis de serem usados e que não tenham uma imagem pixelada e desproporcional dizendo Iniciar, nem precisem roubar ícones do Windows (ironicamente, depois dessa, são os usuários Linux que reclamam de qualquer coisa que remotamente pareça ter sido copiada, mesmo que tal plágio não exista).

E ironicamente, o ambiente que "não deveria confundir o usuário" pode causar mais problemas. Quantas vezes já não vi um usuário desses sistemas tentando instalar o Messenger ou outro programa baixado do site da ... Microsoft? Embora o Wine já rode muito bem vários programas, ele ainda não é completamente plug-and-play.

(Um detalhe interessante: nunca vi um usuário que migrou de Windows para Mac reclamar da falta do botãozinho Iniciar ou que não tem Internet Explorer)

Mas não, para os desenvolvedores, tais ideias simples são muito distantes da realidade de quem quer poder afirmar que criou uma distro, mesmo sem ter como garantir a qualidade do sistema. Para eles, é necessário criar um ambiente sem nenhuma identidade, parcialmente compatível e completamente quebrado, assim fazendo com que o usuário-final pense o Linux é essa porcaria e alimentando os preconceitos sobre o sistema.